Sustentabilidade em pequenos negócios:

uma abordagem baseada nos padrões da Empresa B

Autores

  • Henrique Teixeira da Silva Centro Universitário Uniftec
  • Mirela Jeffman dos Santos FTEC
  • Hamilton Luis Kleinowiski Centro Universitário Uniftec

Palavras-chave:

Sustentabilidade, Responsabilidade Socioambiental, Empresa B, Pequenos Negócios, Microempresa

Resumo

Durante o século XX, a sustentabilidade ganhou espaço nas discussões, tornando-se amplamente valorizada pelos consumidores e, consequentemente, fundamental para competitividade das organizações. O Sistema B se trata de um movimento que tem por objetivo disseminar o desenvolvimento sustentável por meio da certificação das organizações em âmbito global. Para obter tal certificação, as empresas devem ter objetivos que extrapolam indicadores financeiros e contemplar também benefícios para a sociedade com vistas a melhorar a vida das pessoas. Especificamente, os critérios da certificação Empresa B incluem cinco dimensões: trabalhadores, clientes, comunidade, meio ambiente e governança; que devem permear o modelo de negócios e estar presentes em seus objetivos estratégicos. O presente artigo teve por objetivo analisar como as micro e pequenas empresas do estado do Rio Grande do Sul tratam a sustentabilidade, de acordo com a proposta do Sistema B. A pesquisa de campo contemplou entrevistas com oito gestores de micro e pequenas empresas do RS, complementadas por análise documental no site do laboratório B, criador da certificação. Os resultados demonstraram que os gestores compreendem a importância socioambiental e têm intenções positivas no sentido de implementar as melhores práticas de sustentabilidade, porém ainda não têm consciência do quanto essas ações podem gerar resultados financeiros. O estudo contribuiu no sentido de evidenciar o potencial que a inclusão do tema sustentabilidade na estratégia das organizações representa, tanto no fomento de uma sociedade mais próspera e um planeta mais sustentável, quanto para ampliar a sua competitividade.

Referências

ABREU, E. F.; De Rachel Carson à Marina Silva. Ecodebate. 2010. Disponível em: <https://www.ecodebate.com.br/2010/03/24/de-rachel-carson-a-marina-silva-artigo-de-eduardo-figueiredo-abreu/> acessado em 20 out. 2021.

ANDRADE, V. F.; BIZZO, W. A. Análise comparativa das normas de gestão de responsabilidade social e sua abrangência. Gestão e Produção, 25(4), 807-825., 2017.

AVALIAÇÃO DE IMPACTO B. (2020) Disponível em: <https://bimpactassessment.net/> acessado em: 20 out. 2021.

BALDO, M. Acting as a benefit corporation and a B Corp to responsibly pursue private and public benefits. The case of Paradisi Srl (Italy). International Journal of Corporate Social Responsibility, 4(4), 2019.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2009.

BUSCH, S. E.; RIBEIRO, H. Responsabilidade Socioambiental Empresarial: Revisão da Literatura sobre Conceitos. Revista de Gestão Integrada em Saúde do Trabalho e Meio Ambiente, 4(2), 2009.

CARSON, R. Primavera silenciosa. 2. ed. São Paulo, SP: Melhoramentos, 1962.

CORREA, M. E; ABRAMOVAY, R.; GATICA, S.; VAN HOOF, B. Nuevas empresas, nuevas economías: Las empresas B en Sur América. Lima: Yo Público, 2020.

CORREA, M. E. Sistema B y las empresas B en América Latina: Un movimiento social que cambia el sentido del éxito empresarial. Books, CAF Development Bank Of Latinamerica, 1436, 2019.

FINK, L. Carta do Larry Fink aos CEOs. BlackRock, 2020. Disponível em: <https://www.blackrock.com/br/2021-larry-fink-ceo-letter> Acessado em: 20 out. 2021.

GEHMAN, J.; GRIMES, M. Hidden badge of honor: how contextual distinctiveness affects category promotion among certified B Corporations. Academy of Management. 60(6), 2018.

GIBBS, G. Análise de dados qualitativos. Porto Alegre: Artmed, 2009.

GURSKI, B.; GONZAGA, R.; TENDOLINI, P. Conferencia de Estocolmo: um marco na questão ambiental. Estudos Avançados, 26(74), 51-64, 2012.

HONEYMAN, R. O Manual da Empresa B: como usar os negócios como força para o bem. Belo Horizonte, MG: Editora Voo,

JORNAL DO COMÉRCIO. Iniciativa une multinacionais e quer usar os negócios para gerar impacto positivo. 2020. Disponível em: <https://www.jornaldocomercio.com/_conteudo/economia/2020/09/756459-iniciativa-une-multinacionais-e-quer-usar-os-negocios-para-gerar-impacto-positivo.html> Acessado em 20 out. 2021.

KHOJA, S. (2013) Are you making a difference? YouTube, 2013. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=3wL5AXdvPGc> Acessado em 20 out. 2021.

MACKEY, J.; SISODIA, R. Capitalismo Consciente: O espírito heroico dos negócios. Rio de Janeiro: Alta Books Editora, 2013.

MARQUIS, C. The B Corp Movement Goes Big. Stanford Social Innovation Review. 18(4), 2020.

MASCARENHAS, M. P.; SILVA, W. A. C. Triple Bottom Line da sustentabilidade: uma análise em empresas nacionais produtoras de óleo e gorduras. Revista de Administração, Contabilidade e Sustentabilidade, 3(1), 62-79, 2013.

NASCIMENTO, E. P. Trajetória da sustentabilidade: do ambiental ao social, do social ao econômico. Estudos Avançados, 26(74), 51-64, 2012.

OLIVEIRA, M. J.; VECCHIA, F. A. S. A controvérsia das mudanças climáticas e do aquecimento global antropogênico: consenso científico ou interesse político? Fórum Ambiental da Alta Paulista, 5, 946-962, 2009.

ORIBE, C. A relação entre SA 8000 E AA1000 com o marco referencial da ética dos negócios: um entendimento necessário. Belo Horizonte: PUC Minas, 2006.

PEDROZA, D. Empresas B: a sustentabilidade vivida na prática. Isto é Dinheiro. 2020. Disponível em: < https://www.istoedinheiro.com.br/empresas-b-a-sustentabilidade-vivida-na-pratica/> Acessado em 20 out. 2021.

PEQUENAS EMPRESAS E GRANDES NEGÓCIOS. Pequenos negócios já representam 30% do Produto Interno Bruto do país, 2006. Disponível em: <https://revistapegn.globo.com/Negocios/noticia/2020/04/pequenos-negocios-ja-representam-30-do-produto-interno-bruto-do-pais.html> Acessado em 20 out. 2021.

PIRES, E. A mudança climática, o protocolo de quito e o mecanismo de desenvolvimento limpo: elementos de um novo paradigma de comportamento econômico ambiental. (Dissertação de Mestrado) Universidade do Vale de Itajaí, Santa Catarina, Brasil, 2006.

RÍOS, O. M. E., ALMAZÁN, D. A.; QUINTERO, J. M. M. La Responsabilidad Social Empresarial en la Imagen de Marca Afectiva y Reputación. Innovar, 28(69), 133-148, 2018.

SANTOS, E. C. S.; SILVA, J. K. L; CAETANO, R. M. As práticas de sustentabilidade e de responsabilidade social aplicadas nas micro e pequenas empresas e em microempreendedores individuais de Vilhena-RO. Revista de Administração e Negócios da Amazônia, V.11, n.4, set/dez, 2019.

SISTEMA B. 2021. Disponível em: <https://sistemab.org/br/brasil/> Acessado em 20 out. 2021.

SISTEMA B BRASIL. Relatório Anual 2020, 2020. Disponível em: <https://www.sistemabbrasil.org/suhdo/storage/uploads/f8b83d96c49605fd64667c197f8ad52b/wysiwyg/pdf/Sistema%20B%20Brasil_Relato%CC%81rio_2020_v7.pdf> Acessado em 20 out. 2021.

TOLDO, M. Selos Sociais e Responsabilidade Social Corporativa: Um estudo de Caso em Criciúma, SC. (Dissertação de Mestrado) Universidade Federal de Santa Catarina, Santa Catarina, Brasil, 2003.

WILLARD, B. Como fazer a empresa lucrar com sustentabilidade. São Paulo, SP: Saraiva Educação S.A., 2017.

Downloads

Publicado

30-09-2022

Como Citar

Teixeira da Silva, H., Jeffman dos Santos, M., & Luis Kleinowiski, H. (2022). Sustentabilidade em pequenos negócios:: uma abordagem baseada nos padrões da Empresa B. Revista Conectus: Tecnologia, gestão E Conhecimento, 2(1). Recuperado de https://revista.ftec.com.br/index.php/01/article/view/77